Lula diz que é preciso investigar todos os envolvidos em atos golpistas

Arquivado em:
Publicado Quinta, 08 de Fevereiro de 2024 às 19:33, por: CdB

" Eu espero que a Polícia Federal (PF) faça a coisa do jeito mais democrático possível, que não haja nenhum abuso, que faça aquilo que a Justiça determinou que faça e depois apresente para a sociedade aquilo que eles encontraram. Eu, sinceramente, não tenho muitas condições de falar sobre uma ação da Polícia Federal, porque isso é uma coisa sigilosa, da Polícia, da Justiça", afirmou o presidente.


Por Redação - de Belo Horizonte

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) considera “muito difícil” falar sobre a operação que prendeu e realizou buscas em endereços de envolvidos na tentativa de golpe, em 8 de Janeiro do ano passado. Segundo Lula,  as operações foram feitas depois de uma decisão judicial, “tudo correndo em sigilo até determinar que se faça busca e apreensão na casa das pessoas”.

luala.jpeg
O presidente Lula tem crescido no conceito dos eleitores brasileiros, segundo pesquisa


— Eu espero que a Polícia Federal (PF) faça a coisa do jeito mais democrático possível, que não haja nenhum abuso, que faça aquilo que a Justiça determinou que faça e depois apresente para a sociedade aquilo que eles encontraram. Eu, sinceramente, não tenho muitas condições de falar sobre uma ação da Polícia Federal, porque isso é uma coisa sigilosa, da Polícia, da Justiça, e não cabe ao presidente ficar dando palpite — adiantou, nesta quinta-feira, em entrevista a uma rádio.

Nesta manhã, a PF buscou ex-ministros, ex-assessores e militares próximos a Jair Bolsonaro (PL).

 

Gente envolvida


Mais adiante, o presidente cobrou investigação de todos os envolvidos na tentativa de golpe e afirmou que o 8 de janeiro não teria acontecido sem Bolsonaro.

— Tem muita gente envolvida, acho que tem muita gente que vai ser investigada, porque o dado concreto é que houve uma tentativa de golpe, uma política de desrespeito à democracia, houve a tentativa de destruir uma coisa que nós construímos há tantos anos, que é o processo democrático. E essa gente tem que ser investigada. Nós queremos saber quem é que financiou, quem é que pagou, quem é que financiava aqueles acampamentos, para que a gente nunca mais permita que aconteça o ato que aconteceu no dia 8 de janeiro — concluiu.

Edição digital

 

Utilizamos cookies e outras tecnologias. Ao continuar navegando você concorda com nossa política de privacidade.

Concordo