Tradição e valorização dos povos originários: conheça algumas aldeias indígenas de SP

Arquivado em:
Publicado Segunda, 21 de Fevereiro de 2022 às 16:14, por: CdB

Da Redação

Saiba quais são alguns dos povos indígenas que moram na capital e no interior do estado.

Muita gente pode não fazer essa associação, mas o estado de São Paulo ainda é lar de diversos povos indígenas. Espalhadas por todo o estado, mas principalmente no litoral norte e sul e no Vale do Ribeira, as terras abrigam povos como os Tupi-Guarani, Guarani Mbya, Kaingang, Guarani, Atikum, Krenak, Terena e Fulni-ô. Ao todo, são 38 terras indígenas existentes no estado, com 31 delas contando com o reconhecimento da Funai (Fundação Nacional do Índio). Que tal saber um pouco mais sobre essas aldeias? Ou mesmo comprar uma passagem para Bertioga ou outras cidades do interior paulista para conhecê-las?

Rio Silveira

As terras indígenas Rio Silveira estão localizadas na divisa dos municípios de São Sebastião e Bertioga, ao lado do Parque Estadual Serra Mar. Elas ficam entre as cabeceiras do Ribeirão Vermelho e do Rio Silveiras, com a reserva há cerca de 1,5 km da Praia de Boracéia. As terras são o lar da aldeia Rio Silveiras, que abriga cerca de 120 famílias da etnia Tupi-Guarani. Com uma escola para atender às crianças indígenas, o local tem moradias construídas com madeira ou pau a pique. A cultura da tribo é preservada de diversas formas, como com a manutenção da língua materna. Eles também promovem músicas, danças e o preparo de comidas típicas como forma de manter vivas sua cultura e história. Além disso, visitar o local é uma forma de entrar em contato com a natureza, com a opção de percorrer tanto a Trilha de Guaratuba como a Trilha D’Água.

Piaçaguera

A terra indígena de Piaçaguera ocupa uma área do município de Peruíbe, no litoral sul de São Paulo, sendo o lar de 358 indígenas que se autodenominam Tupi-Guarani, divididos em 11 tribos. A demarcação da terra foi homologada em 2016 e foi registrada pela Secretaria do Patrimônio da União em 2018. A história dos índios da região é marcada pela luta e resistência pela demarcação das terras, além do reconhecimento da população indígena. Como a aldeia está localizada no bioma da Mata Atlântica, essa luta também foi uma forma de preservar o meio ambiente da região, já que o bioma foi e ainda é muito explorado. Nos últimos anos, os índios da reserva têm adotado medidas para fortalecer a cultura Tupi-Guarani. Isso é feito por meio da escola, que se tornou um local fundamental para o aprendizado da língua, costumes tradicionais, rezas e sobre quem são os detentores daquela terra.

Jaraguá

Além de reservas no interior do estado, também há presença indígena na capital paulista. Em 2015, após 60 anos de reivindicações, os índios da tribo Guarani conseguiram um espaço de 532 hectares no Pico do Jaraguá, localizado na Zona Oeste de São Paulo. Ela é lar de cerca de 900 guaranis que, desde a expansão das terras — antes, não alcançava dois hectares —, cultivaram planos para reflorestar parte das terras devastadas. Além de dedicar parte das terras para plantios, eles também lutam por melhorar a qualidade de vida do local, com melhorias de moradias, saneamento básico e educação.

Vanuíre

Na região oeste do estado, próximo ao município de Arco-Íris, encontra-se a aldeia Vanuíre, lar de 245 habitantes de seis povos indígenas diferentes: Terena, Pankararu, Kaingang, Krenak, Tupi-Guarani e Fulni-ô. A terra indígena, de 706 hectares, é caracterizada por ter um solo arenoso, o que dificulta a prática de agricultura. Apesar da situação adversa, a aldeia conta com uma boa estrutura básica, que inclui um centro cultural e uma escola bem-cuidada. Há o cultivo de alimentos como batata, milho, feijão, milho e mandioca para vender, além do cultivo de ervas medicinais e plantas que são utilizadas para o artesanato, uma das formas de perpetuar e valorizar sua cultura.
Tags:
Edição digital

 

Utilizamos cookies e outras tecnologias. Ao continuar navegando você concorda com nossa política de privacidade.

Concordo