Lewandowski nega convite para lugar de Dino, que escreve ao Senado

Arquivado em:
Publicado Sexta, 01 de Dezembro de 2023 às 19:12, por: CdB

Após ser escolhido pelo presidente Lula para compor o STF, Dino enviou uma carta protocolada na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado, nesta sexta-feira, na qual afirma que terá atuação "técnica e imparcial" caso seja aprovado para a vaga. O procedimento é parte do protocolo a ser cumprido por quem é indicado para uma vaga no STF.


Por Redação, com agências internacionais - de Brasília e Doha

Embora integre a comitiva do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), na viagem aos países do Oriente Médio, o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, afirmou nesta sexta-feira que não foi convidado para assumir cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública, no lugar do futuro ministro do STF Flávio Dino. Questionado se já tinha tido conversas sobre o tema com presidente, Lewandowski limitou-se a repetir que não houve o convite.

lewandowski.jpg
O ex-ministro Lewandowski nega que tenha recebido um convite para a pasta da Justiça


Lewandowski participa da COP28, em Dubai, como convidado da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

— Olha, eu não fui convidado. Estou aqui participando da COP, acompanhando a comitiva dos empresários. Agora estou na CNI, presidindo o conselho jurídico da Federação Nacional da Indústria. Estou nessa condição — adiantou.

Os repórteres, no entanto, insistiram para saber se havia tido alguma conversa com Lula sobre o tema, o ex-ministro reiterou que não recebeu propostas.

— Eu não posso recusar um convite que não foi feito. Você vai recusar ou aceitar o convite de um jantar que você nem foi convidado e nem cogitado? — questionou.

 

Carta de Dino


Após ser escolhido pelo presidente Lula para compor o STF, Dino enviou uma carta protocolada na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado, nesta sexta-feira, na qual afirma que terá atuação "técnica e imparcial" caso seja aprovado para a vaga. O procedimento é parte do protocolo a ser cumprido por quem é indicado para uma vaga no STF.

Para se tornar ministro da Corte Suprema, Dino ainda precisará passar por uma sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e ter o voto de 41 dos 81 senadores no plenário da Casa.

"Postulo, dessa forma, a aprovação do Senado Federal para iniciar uma nova etapa em minha vida, na qual —de modo técnico e imparcial— comprometo-me a zelar pela Constituição e pelas leis da nossa pátria", afirmou Dino, no documento.

Edição digital

 

Utilizamos cookies e outras tecnologias. Ao continuar navegando você concorda com nossa política de privacidade.

Concordo